ÁLBUM DE GRAVURAS – HOMENAGEM A DIONÍSIO DEL SANTO (2017)

Texto: Almerinda Lopes
 

 

RELEITURAS

 

O jovem artista capixaba Rick Rodrigues embora tenha iniciado a carreira artística recentemente, sua produção foi rapidamente reconhecida e tem conquistado espaço em destacadas instituições culturais, tanto em Vitória quanto de outros estados. A gravura seria a desencadeadora de um projeto poético balizado em uma configuração formal que remete à ideia de casa, como o lugar do idílio, do acolhimento e da proteção. Essa temática tão cara ao jovem nascido e criado no interior do estado do Espírito Santo, talvez possa ser entendida pelo viés da memória e da identidade, uma vez que seria justamente o mais jovem, aquele que primeiro iria abandonar o aconchego, o afeto e a proteção familiar, para enfrentar, sozinho, o modus vivendi e os percalços da cidade grande. A transferência para Vitória, para cursar Artes Plásticas na UFES, iria aproximar ainda mais o talentoso e perseverante jovem de suas raízes e memória familiar, ao respaldar sua poética no universo particular de referências e experiências. Se a casa passou a ser signo emblemático e recorrente da produção seguinte de delicados desenhos e bordados, inserida em diferentes contextos ou a flanar magicamente no espaço, às vezes içada por pássaros, esses últimos também iriam ocupar lugar de destaque na gramática visual do jovem artista. Passou a observar e a admirar os passarinhos livres na natureza, desde muito cedo, com a orientação do irmão mais velho, que também o ensinou a bordar, costurando couro de boi na fazenda do avô. Tal habilidade transferiria anos mais tarde para a praxe artística, subvertendo assim a ideia que bordar é um atributo feminino. Se através de tal praxe o artista recodifica e realoca referências culturais, não deixa de pôr em xeque determinados conceitos e tabus sociais.

 

Ao ser convidado pelo SESC Glória, em Vitória, para ministrar uma oficina de gravura, como parte do processo educativo decorrente da exposição de obras do reconhecido gravador e pintor capixaba, Dionísio Del Santo (1925-1999), Rick Rodrigues propôs aos participantes a releitura dos trabalhos do expositor e elaborou, ele próprio, delicados e frágeis bordados sobre papel. Nesses bordados a configuração poligonal da casa prepondera e se torna o receptáculo de linhas verticais paralelas, que ao se aproximarem ou se afastarem umas das outras, criam ritmos cinéticos, que embora não deixem de remeter aos desenhos e gravuras de Del Santo, também atestam que seu jovem interlocutor não se desviou de sua própria linguagem plástica. Essas releituras preservam a identidade visual e o característico colorido que perpassa o projeto poético de Rick Rodrigues, o que confirma tanto a versatilidade, quanto a fluência e a consistência do pensamento na solução de problemas e desafios que a arte lhe impõe.

ACESSE AS GRAVURAS!