TEXTO CURATORIAL – EXPOSIÇÃO SOU O MEU LAR (2018)

Galeria de Arte do Sesc, Aracaju/SE

Texto: Daniellen Nogueira

A REVOADA DE RICK RODRIGUES

 

“Por viver muitos anos dentro do mato
Moda ave
O menino contraiu visão de pássaro [...]”
(Manoel de Barros)

 

Conhecido por uma produção que abarca memórias familiares e cotidianas, o artista Rick Rodrigues cada vez mais extrapola as fronteiras de seu lugar de origem.
 

Pássaros e mais pássaros nascem de seu “quarteliê”, localizado em meio à natureza de João Neiva (ES), e sobrevoam sua poética. Encontramo-los nos bordados pendurados no varal, nas fitas, em instalação, dentro de suas casas e na interação com os seres-abrigos que ora podem parecer como seres antropomórficos, ora como corpos que cresceram e as casas já não os comportam mais.
 

Por meio destes seres, bem como no título da exposição, Rick assume que habita o próprio corpo, este que é ninho, cheio de passagens e repertórios. Leva consigo a casa de número 34, que fora de sua família, os quintais, os animais, o pé de balanço de sua infância e tantas outras memórias que são o oxigênio, a válvula propulsora de suas criações.


Nas entrelinhas de seus bordados e nos pequenos universos criados residem a infância, o não tolhimento dos sonhos e as subjetividades.


Os trabalhos “repousam” nesta galeria em meio aos movimentos migratórios realizados atualmente pelo artista, resultantes de períodos de recolhimento e de constantes produções.
 

Dentro de sua periodicidade, é tempo de voar!
 

Daniellen Nogueira
Curadoria